RCC Tocantins
05/03/2009 - 17h13m

Entrevista / Eros Biondini no Show em Palmas

 

O músico, missionário católico e Deputado Estadual de Minas Gerais, Eros Biondini, esteve na capital tocantinense a convite da Arquidiocese de Palmas, em razão da Jornada Vocacional 2009.

 

No evento promovido pela Pastoral Vocacional, Eros ministrou pregação sobre Vocação, partilhou suas experiências de Deus e encerrou a noite com um show, onde cantou sucessos de sua carreira e pôde mostrar as canções de seu novo trabalho, intitulado ‘Tempo da Graça’.

 

Acompanhe a entrevista que o artista cedeu ao Ministério de Comunicação Social da Renovação Carismática Católica.

 

 

 

Eros, essa é a primeira vez que você vem à cidade de Palmas para realizar missão. O que você trás e o que você leva de Palmas?

 

 

 

É uma alegria poder estar em Palmas sabendo que é justamente a força da missão que me trouxe até aqui. Dentre tantos motivos que eu tenho de afinidade com esse povo, com nosso querido Bispo Dom Alberto, com as Irmãs Marcelinas, a maior alegria é ter a certeza que foi o Senhor quem me trouxe aqui para falar sobre vocação.

 

Para um missionário, a grande recompensa ao sair de sua cidade, é cumprir a missão que o Senhor lhe confiou. E a missão que eu trago aqui hoje, é que através das minhas palavras, do meu canto, da minha vida, Deus possa alcançar tantas outras vidas.

 

 

 

Adentrando o tema ao qual você foi convidado a partilhar, qual o segredo para se descobrir a verdadeira vocação?

 

 

 

Encontrar aquele que nos dá vocação, que é o próprio Jesus. A semente da fé trazida de nossos pais, de nossos avós, precisa de uma outra etapa que é a nossa própria experiência com Deus. É diferente quando a gente ouve alguém testemunhar uma maravilha de Deus, e quando você é o alvo dessa maravilha.

 

Portanto a vocação acontece quando eu escuto Deus me chamar, não obrigatoriamente com a sensibilidade de ouvir uma voz humana. Das tantas maneiras que o Senhor usa para nos chamar, o mais bonito é que somos nós quem define nosso grau de pertença ao Senhor. Se nós queremos abrir muito o nosso coração, Ele muito entrará; Se nós abrimos pouco, Ele entrará na medida em que nós abrirmos.

 

O mais importante na vocação é saber que é o senhor mesmo quem, pessoalmente, nos convida.

 

 

 

Pessoalmente você ouviu essa voz e descobriu a sua vocação na vida missionária. Como você se sente podendo utilizar do seu ministério musical como complemento da sua missão?

 

 

 

É maravilhoso! É um privilégio poder cantar e tocar o coração das pessoas. A unção que Deus coloca na ministração do louvor é maravilhosa. A Evangelização através da música contém um poder muito grande porque Deus abala as nossas estruturas e faz a música realmente penetrar o nosso coração.

 

Depois de dezenove anos intensos de missão através da música, tenho a alegria de colecionar verdadeiros milagres. A transformação de jovens, a transformação da vida de muitas pessoas é um fato real. O nosso canto deve ser expressão daquilo que a gente vive, somente assim poderemos levar outras pessoas a viverem a paz, a alegria e o amor do nosso Deus.

 

 

 

Como um missionário católico como você, que caminha por ambientes às vezes tão degradados e tão criticados, faz para se manter íntegro, sem cair em pecado?*

 

 

 

Nós temos que ter os olhos fixos em Deus e uma constante experiência com Jesus. Eu tinha dezoito anos quando decidi, livremente, não só seguir Jesus, mas ser um evangelizador. Daí pra cá eu nunca mais tirei os olhos d`Ele. Nunca mais me permiti estar em um lugar onde eu não pudesse beber dessa fonte através da unção, dos sacramentos, da Palavra. Eu nunca parei de crer um dia se quer.

 

 

 

Olhando para toda a sua trajetória na vida da Igreja, na busca pela santidade, no cumprimento da sua missão, o que Deus fala hoje ao seu coração?

 

 

 

Que apesar de eu já ter percorrido um caminho relativamente grande, estamos só começando. Temos ainda muita coisa pela frente. Deus tem muita coisa a fazer na minha vida, pra melhorá-la, pra me fazer mais feliz. Deus ainda tem muita coisa a fazer através de mim.

 

Eu tenho que ser dócil e deixar que Ele me use para que muitos outros corações possam O conhecer através das minhas palavras e das minhas canções. Não para que me conheçam, mas para que conheçam a Deus e possam amá-lo.

*Pergunta feita por Dom Alberto Taveira a Eros Biondini durante homilia da Celebração Eucarística da Jornada Vocacional de Palmas 2009.

Jeferson

 

Coord. MCS da Arquidiocese de Palmas

LINK CURTO: https://rccto.org.br/r/bY

© 2012-2021. RCC-TO - Todos os direitos reservados.