15/10/2010 - 00h00m

“Sede Santos como o vosso Pai do Céu é Santo” _ por Pe. Vanilson

 
Em Mateus 5, 48, Jesus, em seu processo catequético leva seus discípulos a refletir sobre o Projeto Original do Criador: a Santidade. Jesus retoma o gênesis, o Paraíso, o início da criação. Deus criou o homem santo e o colocou num paraíso. Esse paraíso remete à condição original do ser humano. Paraíso expressa a condição de vida que Deus criou o homem. Entendo que se pode traduzir paraíso por santidade. Daí faz-se necessário uma nova catequese acerca da santidade.

Muitos, pra não dizer a grande maioria, são equivocados e deturpam a concepção de santidade. Prefiro a tradução “sede santos” que a “sede perfeitos”. Segundo o Aurélio, perfeição significa total, completo; e santidade é definido como virtuoso. Virtude é disposição para a prática do bem, força moral. Portanto, santidade pode ser traduzida por virtudes.

O homem santo é o homem virtuoso e não perfeito. Somos chamados a sermos virtuosos e não a sermos perfeitos. A perfeição virá como conseqüência da vida virtuosa. Encontramos em 1Pd 1,15 o seguinte: “A exemplo da santidade daquele que vos chamou sede também vós santos em todas as vossas ações”. Descendo para a prática cotidiana, santidade é relação humana pautada nas virtudes de uma convivência calorosa e fraterna.

Então, quem é o santo? Santo é aquele que se humaniza e tem como finalidade de suas ações  a humanização do outro. Parece estranho dizer que o ser humano precisa humanizar-se, mas é isso mesmo, o ser humano descaracterizou-se, perdeu a sensibilidade, embruteceu-se, perdendo o senso do bem e do mal. Santidade é pautar todas as ações nos princípios evangélicos. Princípios evangélicos são valores éticos e morais. Aquilo que a ética e a moral ensinam está contido nos valores evangélicos.

Concretizando mais ainda a santidade nas seguintes virtudes: amor uns pelos outros, no sentido de bem-querer; o zelo pela paz, paz não como ausência de conflitos, mas condição de vida; partilha das condições básicas para se ter uma vida digna; amizade universal; respeito entre marido e mulher, pais e filhos; imunizar-se contra as drogas lícitas e ilícitas; prezar pela honestidade e zelar pela honra.

Um dos caminhos para a santidade é uma espiritualidade centrada na pessoa de Jesus, na sintonia com o Espírito Santo. Sem vida de oração que mergulha no coração de Jesus é difícil ser santo. Santidade é ser Marta e Maria. Saber estar aos pés do Mestre numa intimidade com sua pessoa e agir ao mesmo tempo na história para transformar a realidade, para que essa realidade se pareça com o sonho Deus, o Paraíso.

Pe. Vanilson, CSsR
© 2012 - RCC-TO - Todos os direitos reservados.